Image default
Crônicas

A tartaruguinha vesga

Centenas de ovos de uma tartaruga marinha eclodem na praia, ainda no horário do crepúsculo, antes do sol nascer completamente. Como uma dádiva da natureza, a tartaruga mãe voltou ao mesmo local, no nordeste do Brasil, onde nasceu muitos anos atrás. Dizem que as tartarugas se orientam pelo magnetismo da Terra e assim, conseguem voltar à mesma praia de onde saíram.
E como se sentiram seguras quando nasceram naquele local, entendem que essa mesma praia natal é segura também para seus filhotes.
Dos ovos saem as tartaruguinhas, que se arrastam pelo ninho, escalam o buraco na areia e correm rapidamente em direção ao oceano sem fim.
Uma delas, Lilica, por algum motivo estranho, talvez por causa de uma distorção do globo ocular, ou um desvio de um dos olhos, que se fixa em um ponto, que torna os humanos vesgos, não correu para a água.
Seu olhar ou seu radar apontou para o lado oposto, a floresta.
Enquanto suas irmãs transpunham pedras e garrafas de plástico, vencendo obstáculos naturais e artificiais, Lilica não seguiu a maioria. Fez seu próprio caminho para a vida, traçou seu próprio destino.
Se embrenhou no mato. Ficou ansiosa e se perdeu entre as árvores.
Suas irmãs, a maioria das outras 99 tartaruguinhas, sem mesmo saber do perigo, se envolveram com as manchas de óleo, fruto do vazamento de algum carregamento clandestino de petróleo. Atoladas nas poças de óleo, não conseguiram chegar ao mar e não resistiram. Sucumbiram à vida.
Enquanto isso, Lilica, a tartaruguinha vesga, perdida na selva, vagava de um lado para outro, tentando usar seu radar natural para encontrar o mar.
Já sem fôlego e desiludida da sua escolha desastrosa, deitou-se à beira do caminho entre touceiras de capim, quando foi encontrada pelo filho de um pescador.
Sabendo das desovas das tartarugas nessa época do ano, o menino correu a avisar seu pai do achado. Os dois, pai e filho, procuraram em vão pelas irmãs de Lilica.
A caminho da praia, com a pequena entre as mãos, perceberam o lamentável desastre ecológico. Mas, conseguiram levar Lilica até um ponto seguro do mar e ela, então, nadou para seu destino final, o mar.

Nereu Leme

Related posts

Os grandes lábios

Roger

Frevo em noite de inverno luso

Roger

Memórias do cárcere

Roger

O que o tempo altera e vira história

Agora é hora de contar história.
Deixar o tempo reviver na memória o que foi passado, o que foi emoção, o que foi glória.
Conto um conto cheio de encanto, de alegria ou pranto.
Um final feliz, simples e pronto