Image default

When I’m Sixty-four

“When I get older losing my hair/Many years from now”

A primeira estrofe da música dá à luz uma primeira dúvida: será que John Lennon teria perdido seus cabelos ao chegar aos sessenta e quatro? E mais, ainda com base na letra: será que Yoko continuaria mandando-lhe presentes do Dia dos Namorados? Será que ela ainda precisaria dele e ainda o alimentaria?

Difícil dizer, já que ele nos deixou estupidamente aos quarenta, e não pôde constatar em si mesmo se o esboço de velhice feito com Paul McCartney em 1967, na música que dá título a este texto, se concretizou. Mas acho que podemos dizer com certeza que ele não chegaria jamais a ser o velho pacato e desmotivado cujo retrato foi pintado por dois rapazes com menos de trinta anos.

[Pequeno parênteses: dizem as más línguas que Paul fez a música sozinho e dividiu o crédito com John por praxe, mas isso não vem ao caso].

Para quem não foi obrigado a partir, como John, os ‘sessenta e quatro’ – como sinédoque de velhice – chegaram. E até passaram. Mas não igual para todos, é claro. A gente costuma ter, quando jovem, uma visão equivocada da velhice. Quando eu era moleque, por exemplo, achava que chegaria – se chegasse – ao ano 2000 caindo pelas tabelas, capenga e amparado por uma bengala ou duas, aos quarenta e quatro anos! Quarenta e quatro!!! Na minha visão infantil, era já o ocaso da minha existência o que hoje se considera a meia idade!

Paul, nós sabemos, continua ali, ativo, cabeludo, cantando até em bailinho de formatura… E John, caso se concretizasse a teoria do filme ‘Yesterday’ e os Beatles não tivessem existido, obliterados que foram por um apagão global, também estaria vivo, cabeludo, míope, mas seria apenas um solitário idoso inexpressivo, provavelmente ex-bancário, a quem restaria observar pacientemente, aos setenta e seis anos, as tardes chegarem e irem embora, em sua casinha também inexpressiva à beira do mar da Irlanda.

Mesmo na música, a gente imagina que, além da calvície e da persistência ou não do espírito namorador, chegar aos sessenta e quatro significava a acomodação em vida: “I could be handy, mending a fuse/When your lights have gone/You can knit a sweater by the fireside/Sunday morning go for a ride/Doing the garden, digging the weeds/Who could ask for more?” Tricotar uma blusa à beira da lareira, arrancar ervas daninhas no jardim, fazer umas caminhadas a passos lentos, no máximo trocar um fusível… O que mais o ‘velhinho’ ia querer?

Mas o que se vê hoje é gente aos sessenta e quatro que ainda não parou de trabalhar – nem vai parar, em vista da reforma da Previdência! Tem idoso que se aposentou e voltou ao batente, porque os caraminguás da aposentadoria não garantem o sustento e os remedinhos! Tem gente que nunca contribuiu para o INSS e hoje, aos sessenta e quatro ou mais, trabalha doze a quatorze horas na segunda para garantir o pão com mortadela da terça.

Cadê então a poética enxergada por Lennon e McCartney há quase sessenta anos? A vida real a engoliu? Chegar aos sessenta e quatro hoje nem valeria, pois, uma música?

O que quero dizer, se me permitem uma pequena órbita em torno do meu umbigo, é que a poética está na visão de quem a enxerga. Um pôr do sol num horizonte nublado ainda é um pôr do sol. Para mim, no caso, ainda é poético chegar aos sessenta e quatro, não tanto pela idade em si – e pela vida real em torno dela – mas pelo fato de os Beatles, meus eternos ídolos, terem cantado a respeito. Chego aos sixty-four neste 12 de abril ainda com cabelos (embora mais ralos), ainda curtindo namorar (embora com menos ímpeto), e substituindo fusíveis, disjuntores, resistências de chuveiros, torneiras e telhas quebradas, além de outros pequenos afazeres domésticos.

E, não é nada, não é nada, já ganhei vinte anos além do que havia estabelecido, quando garoto, como limite de minha vida útil! 

Marco Antonio Zanfra

Related posts

Luzes, câmera…

Roger

“Pai, fui assaltada!”

Roger

Bodas de Prata

Roger

O que o tempo altera e vira história

Agora é hora de contar história.
Deixar o tempo reviver na memória o que foi passado, o que foi emoção, o que foi glória.
Conto um conto cheio de encanto, de alegria ou pranto.
Um final feliz, simples e pronto