Desce o braço, Jesus!

A história que se segue é antiga, mas acho que nunca é demais repeti-la, em primeiro lugar porque vem aí a Semana Santa; segundo, porque se baseia em fatos reais (fonte fidedigna, aquelas coisas); terceiro, porque é saborosa demais. Evidentemente,…
Leia mais

O poder da “Palavra Impecável”

Palavra tem poder. Para o bem e para o mal. Se utilizada inadvertidamente, pode ofender, machucar. Causar estragos irreparáveis. Mas, se a palavra utilizada for impecável, ou seja, sem pecado, leva o interlocutor (a pessoa que escuta a palavra pronunciada)…
Leia mais

No campo da sedução

Tinha eu seis, sete anos, morava com meus pais em um sítio, no município de Divinolândia, a cerca de 270 quilômetros de São Paulo. A bem da verdade, a cidade só passou a existir oficialmente dois anos após o meu nascimento. Antes…
Leia mais

As coisas que não são mais as coisas

Sentindo dor no joelho esquerdo, procurei um ortopedista. Enquanto a atendente preenchia compenetrada minha ficha de entrada, com uma ponta da língua sugestivamente escapando entre os lábios, comentei brincando que talvez precisasse trocar a rótula… “Ih, danou-se!”, ela interrompeu seu…
Leia mais

Eu e meu amigo Chuck

O camarada vai passear no Rio de Janeiro, destino nº 1 das celebridades, e dá de cara com um super-herói em apuros. Socorre-o e ele, agradecido, encontra uma forma inusitada de retribuir. Arrout! Não sei se já contei pra vocês,…
Leia mais

Apocalipse now

Quando cursei o catecismo para fazer a primeira comunhão, mais de remotos cinquenta anos atrás, acostumei-me à ideia de que Deus acabaria com o mundo de uma só tacada. De tanto ouvir a alegoria do Juízo Final, dos Quatro Cavaleiros…
Leia mais

Cachorro da terceira idade

Estava eu outro dia com meu majestoso labrador perto do portão de casa, observando pacientemente a tarde cair, quando uma gentil senhorinha parou na rua e elogiou a beleza do espécime – o de quatro patas – e perguntou a…
Leia mais

“Pai, fui assaltada!”

Devia ter passado um pouco da meia-noite quando o telefone tocou, na cabeceira da cama. Calculo que fosse pouco mais de meia-noite porque tinha me posto a dormir minutos antes e já estava nas proximidades do reino de Morfeu. O…
Leia mais

É com Xota

Nós moramos num lugar chamado Pinhal Alto, no interior de Nova Petrópolis, na serra gaúcha. Foi colonizado por alemães em meados do século XIX. Até a Segunda Guerra, o nome era Tannenwald (Mata de Pinheiros) e foi aportuguesado por motivos…
Leia mais