Lugares estranhos 

Alguma vez você já se perguntou onde fica Beleléu? Eu vivo me perguntando isso… bem, não deve ser um lugar muito perto ou de fácil acesso. Porque tudo ou todos que vão pro Beleléu desaparecem. Nunca mais são vistos e não se tem a menor notícia sobre qualquer coisa que tenha ido pro Beleléu.

Quero acreditar que Beleléu, talvez, esteja nas proximidades de Cafundó do Judas, que é outro lugar de localização indefinida. Desconfia-se, no entanto, que Cafundó do Judas seja exatamente o lugar onde esse judeu cagueta, que ganhou 30 moedas de prata pra entregar Jesus aos romanos, tenha perdido suas botas, que ele teria usado pra esconder as moedas. Depois, arrependido, enforcou-se numa figueira e foi pro Beleléu. Mas há controvérsias! Há uma corrente que acredita, eu também, que quem foi pro Beleléu foram as botas com toda aquela grana e que nunca mais ninguém teve notícias. Judas, na verdade, foi pras Cucuias.

Cucuias é um paradeiro também estranho. Segundo últimos estudos, é um lugar que faz fronteira, ao sul, com o Quinto dos Infernos e, ao norte, com Desta Pra Melhor. A verdade é que, quem vai pras Cucuias, vai pra nunca mais voltar. As opiniões mais dramáticas dão conta de que, quem vai pras Cucuias, tem, antes, de bater a caçoleta, ou seja, bater as botas, as quais não têm nada que ver com as botas do judeu cagueta.

Mas Beleléu, Cafundó do Judas, Cucuias… não estão, digamos assim, entre os destinos mais escolhidos. Há quem vá, muito contra vontade, pra PQP (assim, em sigla, porque esta é uma crônica de respeito) ou talvez vá pra Casa do Chapéu que, juro, nunca entendi direito essa localidade. Aliás, fala-se Casa do Chapéu pra não falar Casa de outra coisa inominável…  (Carvalho? Baralho?)… como eu disse esta é uma crônica de respeito.

Mas, antes que algum leitor irritado com uma crônica que não está levando a lugar nenhum, sugiro, por enquanto, ficarmos por aqui mesmo. O risco de alguém me mandar pra um desses lugares estranhos é grande… eu, hein?

Aurélio de Oliveira

2 comentários

Deixar uma resposta