Encorujado e tremelicante

Em Bom Jardim da Serra, Santa Catarina, fez oito graus abaixo de zero e nevou pra caramba! A cidade se encheu de gente, mesmo com os apelos dos prefeitos das cidades da Serra Catarinense para que a turistada evitasse a viagem, em virtude da capacidade reduzida dos hotéis da região, por causa da pandemia.

Mas o pessoal não deixa de ir. Dorme no carro, dorme em barracas, passa um frio danado, mas não deixa de assistir de perto, com crianças e tudo, o espetáculo grotesco – embora bonito, há de se reconhecer – da neve caindo. Programa de índio, penso eu, embora duvide que algum índio tenha interesse, por mínimo que seja, em congelar as meias para ver uma nevasca ao vivo.

Pois eu sou como Jorge Benjor: moro num país tropical, nasci para morar num país tropical e não tenho qualquer afinidade com o frio!

Se o ser humano tivesse sido feito para viver abaixo de zero, sua temperatura corporal estaria regulada entre dez ou 12 graus Celsius, e não 36 graus, como tem sido desde a criação do mundo. Quem nasceu para viver no gelo são os animais de sangue frio, como os peixes, anfíbios e répteis. O ser humano nasceu para viver no calor.

Dizem que os países do hemisfério norte são mais desenvolvidos porque os cérebros de seus habitantes funcionam melhor à baixa temperatura. Pois eu digo que eles são mais desenvolvidos por questões históricas, sociais e políticas. Nada a ver com as condições geográficas. Vale lembrar que hemisfério norte não é só Londres, Paris e Nova York. O Haiti, o Vietnã, a Nicarágua, o Senegal e as Filipinas também estão lá. Até a Venezuela, aliás.

Se o frio fosse sinal de desenvolvimento, os polos Norte e Sul seriam as capitais do mundo. Mas não são porque o frio é inóspito. Morre-se muito mais de frio do que de calor. Vocês jamais vão ver abrigos para moradores de rua lotarem no verão.

O que dá para fazer no frio além de enfiar-se debaixo de meia tonelada de mantas e edredons e ficar bem quietinho e encolhido? Encolher, aliás, parece a tendência natural de todo seu corpo durante as baixas temperaturas…

Quando morei no Japão, há vinte e poucos anos, o único ambiente aceitável, no inverno, era o do apartamento abraçado pelo ar quente. Mas era só sair de sua área de conforto, de seus 24 metros quadrados, para pagar os pecados. E, gente, acreditem: neve é bonito em fotos e pela janela! O frio do degelo é o pior frio do mundo! Entra por todas as frestas e poros das quinze blusas que você está usando, até atingir os recônditos mais ocultos de seu corpo trêmulo…

Não, definitivamente não nasci para o frio. Os ambientalistas podem me condenar, mas torço descaradamente pelo aquecimento global. Só acho que está demorando muito.

Marco Antonio Zanfra