Deixem meu coração em paz!

Em tempos de Internet, e-mails, Messenger, Facebook, Instagram… tem uma coisa que realmente me incomoda! Não estou falando desses Power Points repletos de mensagens de amor, amizade, frases célebres, reflexões e orações que, se eu fizer, alguma coisa boa vai me acontecer às 11h45… e que eu tenho de repassar para 15 pessoas em 15 minutos senão… tô ferrado!

Também não estou falando daqueles vídeos curtos que mostram bebês gargalhando quando rasgam um papel; ou do cara que não tem os braços e toca violão; ou do gordinho que vendia celulares e virou cantor de ópera; ou do moleque que morreu porque tomou coca light e chupou uma bala Mentos… não!

Estou falando daquele bendito… “um beijo no seu coração!” Alguém aí faz ideia do que significa isso? Está bem, está bem… trata-se de um gesto de carinho, afeição, amizade, amor por parte daquele que está desejando um beijo no coração de alguém. Não duvido! Mas tem de ser no coração? Aliás, entre os meus, sempre há quem me deseje um beijo no meu coração. Quero que saibam que todo esse amor e carinho é recíproco… mas sem beijo no coração, por favor! Reconheço também que o coração, a despeito de ser esse músculo pulsante de duas aurículas e dois ventrículos que recebe e bombeia sangue, é considerado também a sede do sentimentalismo humano, das emoções e blá blá blá… tudo bem! Mas daí querer beijar o dito cujo é demais!

Mais coerente seria desejar “um beijo no seu cérebro” que é de onde realmente partem nossas emoções. Olha… sempre que me desejam um beijo no coração, claro, agradeço coisa e tal. Mas no momento não consigo imaginar outra cena senão a de alguém segurando o bichão na mão, ainda batendo cheio de sangue, e smack… lascando um beijo! Pra mim, beijo no coração é coisa de cirurgião cardiologista tarado!

Para mim não existe coisa mais amorosa do que um beijo… seja ele na boca, no rosto, nas mãos, na nuca, na sola dos pés… não é lindo? Tive um amigo que tinha enorme prazer em beijar uma verruga que a mulher dele tinha no queixo. Entre a verruga e o coração sou mais a verruga! Aliás, na minha opinião, o corpo humano nasceu pra ser beijado… mesmo nos lugares mais excêntricos! Mas sempre do lado de fora, por favor! Do lado de dentro a coisa fica nojenta demais, sô! Com exceção da língua, que é o único órgão que está por dentro e que merece ser beijado.

Ainda bem que a moda não pegou e esses beijos asquerosos ficaram só no coração. Já pensou, em se tratando de alguém bom de garfo e chegado numa comilança, como não ficaria a saudação?

— Aí Bolão… boa sorte pra você e um beijo na sua boca!

— Qualé, meu… tá me estranhando?

— Boca do estômago, quis dizer…

— ah! Tá… brigado, véio… pra você também!

Agora… se o infeliz que receber a saudação for chegado numa manguaça, fico só imaginando…

— Obrigado, companheiro… agradeço muito! Tudo de bom para o senhor também e… um beijo no seu fígado!

Não quero nem comentar como seria a saudação de um ginecologista ou de um urologista para os pacientes. Quer mandar um beijo num lugar diferente? Aprenda com a galera da internet… que inventou um negócio superlegal chamado Beijunda… um beijo na bunda! Incrível! Acho que não há demonstração mais enfática de carinho, amor e, porque não dizer, de exóticos desejos… do que mandar um beijo na bunda de alguém! Se eu tivesse a chance de mandar um beijo pra Juliana Paes vocês acham que iria perder tempo em mandar um beijo no coração dela? Ainda mais com aquela bunda maravilhosa que ela tem… pois sim!

Portanto, a todos que desejam me mandar beijos, deixo à inteira disposição todas as partes desse corpo maravilhoso que eu tenho; da careca ao meu calcanhar. Mas no coração, não! Deixem-no em paz porque já chega ele ter de ficar batendo sem parar que, confesso, sempre bate mais forte quando eu penso em todos aqueles que me amam!

A todos… beijundas!    

Aurélio de Oliveira

Um comentário

  1. Uma expressão que me desagrada – assusta, até! – é “ouça seu coração”. Pois quando ouço meu coração, literalmente, num ecocardiograma, tenho a impressão de que aquele som, que se repete incansavelmente há quase 66 anos, pode emudecer de uma hora para outra. É só quando você ouve realmente seu coração que você compreende a extensão de seu funcionamento.
    Quanto a beijos ‘apenas do lado de fora’, temos de considerar que alguns que a gente poderia definir como semi-internos não deveriam ser totalmente descartados.

Deixar uma resposta