Categoria Crônicas

Ritinha, minha canoa e o fazendeiro

Este caso me foi repassado por um ex-jornalista da revista DBO Rural, e que durante muito tempo também militou em outros veículos da chamada mídia do campo. Fonte fidedigna, é claro. O personagem da vez é o fazendeiro mineiro Tião Maia, falecido…

Escolha de Sofia

Esta pandemia às vezes nos dá a impressão de estarmos vivendo num postulado filosófico de Dilma Rousseff: “Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta.” Ou seja, não sabemos até…

Uma chuvinha em cima

Que se dane o duplo sentido, mas não existe nada mais saboroso do que acordar com o som da chuva tamborilando no telhado de casa! É claro que isso não se aplica a quem precisa levantar para o trabalho. Ou…

No mundo de 2070

Como estará o planeta daqui a cinquenta anos? Ou melhor: como você acha que estará o planeta daqui a cinquenta anos? Que tal arriscar um palpite? Fazer exercícios de futurologia pode ser interessante – embora quase sempre frustrante: nem sempre…

O poder da “Palavra Impecável”

Palavra tem poder. Para o bem e para o mal. Se utilizada inadvertidamente, pode ofender, machucar. Causar estragos irreparáveis. Mas, se a palavra utilizada for impecável, ou seja, sem pecado, leva o interlocutor (a pessoa que escuta a palavra pronunciada)…

Cachorro da terceira idade

Estava eu outro dia com meu majestoso labrador perto do portão de casa, observando pacientemente a tarde cair, quando uma gentil senhorinha parou na rua e elogiou a beleza do espécime – o de quatro patas – e perguntou a…

Crise de identidade

Ele olhou para as duas com um olhar aparentemente perscrutador, dedicou-lhes alguns segundos de atenção e as devolveu com um meio sorriso:

Memórias do cárcere

Minha mãe tinha um sistema definitivo para acabar com algum princípio de briga ou punir algum filho respondão ou malcriado: punha-o de castigo no banheiro. Era o tipo de condenação autoexecutável: ao ouvir a sentença, o ‘réu’ dirigia-se por conta própria à…

Os grandes lábios

Carnaval de 1994. Manhã de sábado, mais ou menos 10h. Numa redação quase vazia, entro para preparar a primeira página da edição de domingo do Estadão. A primeira coisa que vejo é uma cena de muita ternura. De pé, encostado…

A tartaruguinha vesga

Centenas de ovos de uma tartaruga marinha eclodem na praia, ainda no horário do crepúsculo, antes do sol nascer completamente. Como uma dádiva da natureza, a tartaruga mãe voltou ao mesmo local, no nordeste do Brasil, onde nasceu muitos anos…