Aroma de umbigo

Foi coincidência: tinha acabado de ler o texto do ótimo Ricardo Araújo Pereira na Folha – em que ele fala das coisas que não têm mais o sabor das coisas – e ia dar uma chegadinha rápida ao supermercado, quando a mulher pediu: “Traz batatinha… sabor churrasco!”

Pois era justamente sobre isso a crônica do português: batata sabor churrasco, sabor salsa e pimenta, sabor cheddar, sabor peru, sabor maionese, sabor parmesão… E a batata sabor batata, ainda existia?

O gancho do tema abordado na coluna do Ricardo era o recente caso do McPicanha sem picanha do McDonald’s e do hambúrguer de costela sem costela do King’s Burger: inventam qualquer coisa para vender, mesmo que a carne de seus lanches continue sendo aquela argamassa de sempre – ouvi dizer que o Mac era feito de minhocas –  com uma pincelada de ‘aroma’ de picanha ou de costela.

O mesmo acontece com as batatas chips. Ou com o salgadinho de queijo, do tipo Cheetos, que para mim são flocos de isopor com sazon e corante amarelo: sabor pizza, sabor requeijão, sabor mix de queijos… quando, na verdade, é tudo a mesma coisa, “sabor de tênis molhado e aroma de umbigo”, como sugeriu Flávia Boggio, também na Folha. Fiquei curioso, aliás, ao ler o texto dela: como seria esse tal de ‘aroma de umbigo’.

Mesmo a velha água, segundo Ricardo Araújo Pereira, perdeu sua concepção dicionarizada de “líquido incolor, insípido e inodoro” quando passou a ser ‘saborizada’ ou ‘aromatizada’: abacaxi com hortelã, limão, frutas vermelhas, tangerina… Sua fórmula devia ser alterada para H²0+… O cronista lembra que as águas com sabor já existem há séculos, foram inventadas no oriente e receberam o singelo nome de ‘chá’.

Mas o marketing parece valer mais que o prazer gastronômico. Pois só uma estratégia de marketing poderia explicar o lançamento de miojo lámen sabores chocolate e beijinho! Que pessoa em sã consciência – excetuando-se, claro, aquelas que se deliciam com pizza de sorvete ou de morango com chantili – vai conspurcar seu paladar com macarrão achocolatado ou com sabor de doce de coco. Tirando uma larica braba, que outra oportunidade justificaria tal sacrilégio?

Posso parecer conservador – a despeito do sentido constrangedor que a palavra conquistou em certas bocas – mas ainda prefiro a batatinha com sabor de batatinha, a água sem sabor de nada e hambúrgueres feitos em casa – com picanha ou costela de verdade. Ah, e salgadinhos de queijo de jeito nenhum!

Marco Antonio Zanfra

Deixar uma resposta