Humanos da Folha

Ele certamente tinha um nome, um registro civil, uma família, um lugar para morar, mas para nós não importava nada disso. Ele era simplesmente o Profeta, ou o Dito – o que sugeria que seu nome poderia ser efetivamente Benedito…
Leia mais

Nossas broxadas diárias

Atire a primeira pedra, quem nunca deu uma mancada, quem nunca capengou, pelo menos uma vez na vida, e deixou o parceiro ou a parceira na mão. O avanço assustador do Coronavírus, no início do ano passado, deixou em segundo…
Leia mais

Vodu (*)

Não vou mentir para vocês: estou começando a me dedicar aos estudos dos rituais do vodu. Minha intenção é apelar para o ocultismo para resolver coisas que quem deveria resolver não resolve. Cansei de esperar ‘as instituições’ – que estão…
Leia mais

Tira máscara põe máscara

Agora que o Carnaval acabou, que não temos mais bailes, desfiles, blocos e festinhas clandestinas, podem tirar a máscara.Não. Não pode não. Põe a máscara. Mas, tire a máscara. A máscara da hipocrisia, da falta de solidariedade, da falta de…
Leia mais

Lembranças (ou lambanças) de outros carnavais

Se eu gosto de Carnaval? Olha, não tenho nada contra! Durante anos, cobri pela Folha de S. Paulo os desfiles das escolas de samba, que então ocorriam na avenida Tiradentes, e vibrava com isso. Curtia as escolas, curtia os enredos, decorava o…
Leia mais

Um Carnaval de pancadaria

Oi abre alas que chegou Nega Fulô e chegou de verde e branco espalhando seus encantos como a filha de Nagô. A letra do samba-enredo da escola Camisa Verde e Branco, Essa tal Nega Fulô, pedia ao povo amontoado ao…
Leia mais

Maria Grampinho existiu, sim!

Na Cidade de Goiás, todas as pessoas têm alguma história sobre Maria Grampinho. Hoje, famosa, tem até namoradeiras, bonecas de pano e quadros com sua imagem, à venda nas lojas. Primeiros parênteses (adoro incluir fatos nas minhas histórias!). Namoradeira é…
Leia mais

Como se houvesse amanhã

Manhã qualquer de abril de 2020. O despertador do celular toca, como de costume, reviro na cama, tento cochilar mais um pouco, durmo mais meia hora. Acordo assustado, com a sensação de que perdi a hora do trabalho, do meu…
Leia mais

Pânico na calçada

A princípio, pensei que fosse como a Influenza A (H1N1), de 2009. Em abril daquele ano, matou mais de 100 pessoas no México e, provavelmente, havia 1.500 infectados em todo o mundo, segundo a Wikipedia. Mesmo com a vacina já existindo,…
Leia mais

Preso na gaiola

O cartaz do VI Salão Internacional do Humor de Piracicaba, do longínquo ano de 1979, trazia um desenho mostrando um pássaro dentro de uma gaiola, com a porta aberta, olhando desconfiado para o lado de fora e avaliando o risco…
Leia mais